Ataque ransomware pode levar à escassez de cerveja

Na última segunda-feira (8), a gigante australiana de bebidas Lion foi vítima de um ataque de ransomware, levando à paralisação da fabricação de cerveja. Por precaução, a empresa desligou todos os seus sistemas de TI, até que o problema seja resolvido.

De acordo com a companhia, que também fabrica outros tipos de bebidas e faz parte da multinacional Kirin, as investigações iniciais apontam que nenhuma informação financeira ou pessoal foi acessada pelos hackers durante o ataque. Apesar disso, os sistemas ainda não foram restaurados até o momento.

A Lion afirmou que sua equipe de TI e consultores cibernéticos segue trabalhando para investigar o problema e avaliar por quanto tempo ainda terá que manter os computadores desligados. “Nosso foco é trazer os sistemas online de volta com segurança, para que possamos retomar nossos negócios como a produção usual e os serviços ao cliente”, escreveu a fabricante em comunicado.

powered by Rubicon Project

Com a produção parada, os estoques da Lion podem se esgotar em breve, até que o sistema volte a funcionar.Com a produção parada, os estoques da Lion podem se esgotar em breve, até que o sistema volte a funcionar.Fonte:  Pixabay 

Os detalhes sobre o tipo de ransomware que invadiu o sistema e os responsáveis pelo ataque à empresa sediada em Sidney não foram revelados. Em geral, este tipo de malware age sequestrando o computador da vítima, bloqueando o acesso ao sistema e pedindo resgate em dinheiro. Não se sabe se foi o que aconteceu na Austrália.

Risco de escassez de cerveja

Mesmo com a sua produção paralisada devido ao ataque de ransomware, a Lion ainda não está enfrentando problemas de desabastecimento, pelo menos por enquanto. Ela continuou a fabricar cerveja mesmo durante as medidas de distanciamento social por conta da pandemia, seguindo regras de segurança.

Segundo a empresa, há um monitoramento constante dos níveis de seu estoque e pode ser que haja uma “escassez temporária” da bebida, tanto na Austrália quanto na Nova Zelândia, outro mercado atendido por ela, como resultado do ataque cibernético.

Fontes

Lion

TechRadar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *